Arquivos

Posts Tagged ‘Açúcar Mascavo’

Primeiro dia – IV Seminário de Engenharia de Alimentos

Começou nessa segunda-feira, 23 de maio, o IV Seminário de Engenharia de Alimentos. Na programação do dia tivemos duas paletras e o mini-curso sobre fabricação de refrigerantes.

A primeira palestra intitulada “Açúcar mascavo – Opção para agroindústrias e agricultura familiar” foi ministrada pelo professor Fausto Antônio Domingues Júnior. Ele apresentou dados estatisticos que mostram o Brasil como maior exportador de açúcar, sendo a região centro sul a maior produtora no Brasil.

Os tipos de açúcar podem ser : demerara (bruto) e VHP (o açúcar tem cor escura e não tem refino); açúcar cristal (sem refino, de cor branca); açúcar refinado (açúcar cristal com refino); açúcar mascavo (cor castanha, sem cristalização e refino); e o açúcar orgânico (sem aditivos químicos).

O açúcar mascavo está sendo considerado um alimento bastante valorizado devido seus valores nutricionais. Enquanto pode-se dizer que o açúcar cristal, mais comumente utilizado, é basicamente para adoçar os alimentos porém não possui quaisquer valores nutricionais.

Por esse e outros motivos o palestrante nos mostrou que realmente o açúcar mascavo é uma ótima opção para agroindústria famíliar.

No segundo momento tivemos a palestra “Secagem e desidratação de frutas: modelagem e simulação do processo” com a professora Doutora Ester Rodrigues.

Devido a grande produção de frutas, é grande também a perda delas. Uma medida para diminuir esse problema é o processamento por secagem e desidratação.

A atividade de água dos alimentos é um fator importante na deterioração dos mesmos, principalmente por que as bactérias deterioradoras necessitam de alta atividade de água para se desenvolverem. Assim, retirando a água das frutas atráves da secagem, aumenta-se o tempo de vida útil delas.

A palestrante também mostrou a importância do uso de um modelo matemático adequado, pois serve para simular a cinética de secagem, traçar a curva do processo, tornando possível estimar o tempo de secagem (entre outros fatores) que é importante para a desidratação de frutas em maior escala.

Terminamos o primeiro dia de seminário com um mini-curso de refrigerantes com o professor Weskley Cotrim que apresentou a palestra “Tecnologia de Fabricação de Refrigerantes”.

Acreditamos consumir muito refrigerante, e dizem os nutricionistas que não é um hábito saúdavel, porém o Brasil ocupa a quarta posição na produção mundial de refrigerantes e apenas a 19ª posição no consumo per capita. Das 3.500 marcas de refrigerantes, as principais são a AmBev e Coca-cola que pretendem aumentar o consumo de refrigerantes pelos Brasileiros até a Copa de 2014 e Olimpíadas de 2016!

Na palestra aprendemos a parte teorica da fabricação de refrigerantes que são basicamente compostos de água carbonatada e açúcar, variando de um refrigerante para outro o aroma e o ácido utilizado na produção.  O tipo de refrigerante mais simples, foi o que produzimos no mini-curso, é o de guaraná. Sua composição é basicamente água carbonatada, aroma de guaraná, ácido cítrico e corante de caramelo.

No final da noite podemos experimentar o refrigerante de guaraná que produzimos no mini-curso, e até que estava bom!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.